"Conquistando a Liberdade" é premiado como iniciativa inovadora para a Justiça no Brasil | Superintendência do Sistema Penintenciário do Estado do Pará

"Conquistando a Liberdade" é premiado como iniciativa inovadora para a Justiça no Brasil

Versão para impressãoEnviar por e-mailVersão em PDF
Para o governador Simão Jatene, o Conquistando a Liberdade é um projeto de uma sociedade que busca encontrar caminhos

“O Conquistando a Liberdade é um exemplo de que sempre é possível transformar nossos sonhos e desafios, desde que sejam marcados por boas intenções. Esse é um projeto de uma sociedade que busca encontrar caminhos, cujo ingrediente principal é o amor”, afirmou o governador Simão Jatene ao parabenizar os idealizadores do projeto durante uma cerimônia realizada na sede da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado, nesta segunda-feira (31).

O “Conquistando a Liberdade” foi um dos 18 projetos premiados entre os mais de 460 inscritos no Prêmio Innovare 2013. O prêmio, destinado a iniciativas inovadoras para a Justiça do Brasil, torna o projeto paraense referência nacional para a reinserção social de detentos.

O governador destacou que o sucesso do projeto, que somente em 2013 beneficiou mais de mil internos, deve-se ao esforço coletivo e à capacidade que devemos ter de nos ver nos outros. “O principal mal da sociedade não é a diferença. É a desigualdade. Ao invés de sobrevalorizarmos o amor próprio, devemos destacar o amor ao próximo. Este sim, será capaz de transformar a sociedade”, ressaltou.

O “Conquistando a Liberdade” é desenvolvido em escolas da rede pública estadual de ensino, onde os detentos fazem serviços de limpeza geral, poda de árvores, reparos elétricos e hidráulicos, além de consertos de cadeiras e mesas. Participam do projeto detentos dos regimes fechado e semi-aberto.

Além das atividades nas escolas, um convênio assinado entre a prefeitura de Belém e a Susipe ano passado possibilita a inserção de 100 detentos em trabalhos de limpeza de canais e de praças, segundo destacou o prefeito Zenaldo Coutinho. “Assinamos na semana passada outro convênio. Desta vez para que os detentos trabalhem com mudas para replantio nas praças da cidade”, informou o prefeito, parabenizando todos que participam do projeto. “Quem cometeu ato ilícito vai um dia voltar para a sociedade. Por isso, temos que prepará-lo, investir nessa pessoa e acreditar naqueles que queiram mudar”.

O juiz Deomar Barroso, da Comarca de Abaetetuba, idealizou o projeto, desenvolvido inicialmente no município onde atua. “Fico feliz que hoje o projeto é referenciado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e já alcança 16 casas penais de diferentes municípios paraenses, além de estar sendo desenvolvido em Cuiabá (MT)”, ressaltou. Segundo o juiz, a cada três dias trabalhados há redução de um dia na pena. “Eu acredito na ressocialização. Com o projeto, conseguimos mostrar outro caminho ao detento”, afirmou.

Na avaliação do titular da Susipe, André Cunha, o “Conquistando a Liberdade” é um projeto desbravador. “Ao comemorar a menção honrosa recebida não posso deixar de mencionar e agradecer nossos parceiros, como o Pro Paz; a primeira-dama Ana Jatene, que sempre apoiou nosso projeto; a prefeitura de Belém, o Governo do Estado. As parcerias nos mostram que a ressocialização tem que se consolidar fora das paredes do sistema penal. Agradeço as oportunidades que foram dadas para que possamos ajudar na mudança de vida dessas pessoas”.

Um depoimento emocionado do detento Luiz Carlos de Abreu marcou a cerimônia. Ele agradeceu a todas as autoridades presentes. “O projeto é uma porta aberta para nós. Precisamos de oportunidades como essa para que possamos ter uma chance na vida ao sair do sistema penal. Com o trabalho de ressocialização da Susipe muitos detentos não voltam ao mundo do crime”, revelou. Na ocasião, Luiz Carlos presenteou o governador Simão Jatene e o juiz Deomar Barroso com uma caneta artesanal feita por ele.

A cerimônia encerrou com a apresentação do coral Timbres, formado por detentos, homens e mulheres, do regime semi-aberto da Susipe, que cantou cinco músicas sob a regência da maestrina Deolinda Gonçalves.

Texto: Janise Abud (Secretaria de Estado de Comunicação)
Fotos: Antonio Silva (Agência Pará)